P33
Objectivação participante e a Escolha do Terreno
Convenors:
Paulo Mendes (CRIA-IUL / UTAD)
Humberto Martins (CRIA-UMinho)
Location:
Auditório 1, Ciências Veterinárias (Map 30)
Start time:
10 September, 2013 at 9:30
Session slots:
2

Short abstract:

Porque escolhemos um objecto, um terreno e não outro? O que condiciona essa escolha? Motivações e interesses pessoais? Atracção por uma geografia, uma paisagem ou um cultura? Sensações? Experiências? Contextos académicos? Problemáticas sociais? Urgência? Financiamentos?…

Long abstract:

Partindo da noção de "objectivação participante" de P. Bourdieu, mas não negando as virtualidades duma abordagem mais interpretativa, propõe-se como tema para o painel a análise das condições sociais de possibilidade para a escolha dos objectos de investigação, dos terrenos, portanto. Isto é, a selecção de objectos de pesquisa não é alheia a efeitos e limites socialmente constituídos nem a dimensões subjectivo-experienciais, contudo quase sempre excluídos da reflexão antropológica. Assim, a reflexão sobre estas relações de dependência entre objecto, circunstâncias pessoais e contextos de produção de conhecimento, poderá esclarecer como estão intimamente interligadas as escolhas dos diferentes terrenos com tendências, interesses pessoais, reconhecimento de problemáticas sociais, escolas académicas, condicionamentos políticos, etc., e que, em última análise, também delimitam e constroem o próprio terreno/objecto e as nossas etnografias. Sendo este facto ⎯o terreno é culturalmente construído⎯ tão essencial e significativo para as etnografias que produzimos, porque ficam tão poucos dos seus traços na literatura etnográfica? Através de uma "etnografia dos etnógrafos" poderemos colmatar esta lacuna e, simultaneamente, esclarecer o que nos atrai na ciência que praticamos e o lugar, a relevância, do trabalho de campo na definição da própria disciplina e nas nossas experiências pessoais. Pedem-se, assim, contributos que reflictam sobre esta permeabilidade entre o pessoal e contextos de produção de conhecimento. São benvindos todos contributos, independentemente do seu objecto/terreno.