Accepted paper:

O papel da aceleração do tempo na organização espacial pós-moderna

Author:

Daniela Ferreira (Instituto de Geografia e Ordenamento do Território - Universidade de Lisboa)

Paper short abstract:

O estudo apresentado analisa como é que a aceleração do tempo pode modificar a organização espacial da cidade pós-moderna através do surgimento de novas formas de mobilidade. Estas trazem consigo alterações no espaço vivido e nas deslocações quotidianas que, por sua vez, afectam os ritmos urbanos.

Paper long abstract:

É frequente ouvirmos falar sobre a relação entre o território e a sociedade e como estes se influenciam mutuamente. No entanto, são poucas as vezes que se juntam a estes dois conceitos o terceiro elemento: a temporalidade. Este estudo pretende assim mostrar como a temporalidade é um dos modeladores do território urbano, alterando as suas espacialidades e contribuindo para o aparecimento de novos ritmos urbanos.

Nas últimas décadas temos assistido, sobretudo nas sociedades ocidentais, a uma aceleração do tempo. Essa aceleração tem vindo a refletir-se cada vez mais na organização espacial da cidade pós-moderna, na espacialidade dos territórios e, acima de tudo, tem contribuído para alterações nas distâncias-tempo, o que faz com que os ritmos urbanos mudem por completo.

O presente estudo aborda dois dos factores que estão intrinsecamente ligados à aceleração do tempo: as Tecnologias de Informação e Comunicação e o Transporte Rodoviário. Ambos trazem consigo um novo tipo de mobilidade. No primeiro temos a mobilidade electrónica e a nova mobilidade de capitais. Já no segundo, temos uma mobilidade física, associada ao processo de motorização que muitas das cidades têm vindo a assistir.

Será apresentado um caso de estudo que ilustra como é que o consumo do espaço pode mudar com a aceleração do tempo e ainda como este pode alterar os ritmos urbanos.

panel P07
Proximidade e distância